CapaNotícias

Bilhete Único para Petrópolis: realidade próxima?

No Expediente final desta quinta-feira, o deputado Luiz Paulo debateu sobre a reportagem do Jornal de Petrópolis, que afirmava que o Secretário de Transportes Júlio Lopes teria oferecido ao prefeito Rubens Bomtepo a hipótese de Petrópolis ter a vantagem do Bilhete Único. Estranhou o súbito interesse, pois há tempos o deputado vem propondo melhorias para o transporte público da região.

“Fiz aqui, uma Indicação Legislativa propondo que Petrópolis entrasse no bilhete único. Já foi para o Governador. Propus que Petrópolis integrasse a Região Metropolitana, propus que Petrópolis, por meio de Projeto de Lei, entrasse na Lei do Bilhete Único. Todos os sinais que vieram do Governo foram da dificuldade de tal evento.

Estranho que o Secretário esteja levando essa questão ao Prefeito. ”

Embora não tenha compreendido a atitude, Luiz Paulo apoia, pois acredita que essa questão está além de qualquer interesse político, partidário ou eleitoral.

“Acima dos interesses (já mencionados) está o interesse da população petropolitana que troca aproximadamente dez mil viagens por dia com a Cidade do Rio de Janeiro e a Baixada Fluminense. A diferença de tarifa, Sr. Presidente, é de quatro vezes. O Bilhete Único é de R$4,95. Na média, a tarifa Petrópolis/Rio é de R$20,00.

Também apoio e desejo que se tenha Bilhete Único para Teresópolis. O bilhete de Teresópolis para o Rio é de R$25,00. Como também defendo, e conversei hoje com o Prefeito de Friburgo ex-Deputado Rogério Cabral que esteve aqui no plenário , que também tenhamos o Bilhete Único para Friburgo, onde a tarifa média é de R$30,00.

Defendo mais ainda, que esse bilhete seja para toda a Região Serrana, como já está para ser para Cachoeiras de Macau e Rio Bonito. Justamente!”

Luiz Paulo ainda salientou que há, por parte do Governo do Estado, uma grande dívida com a Região Serrana.

“O Governo do Estado está em dívida com a Região Serrana, desde a calamidade de 10 e 11 de janeiro de 2011. O Bilhete Único poderia ser algo para minorar os gastos dessa população.

Veja , uma conta rápida: o cidadão que trabalha na Região Metropolitana, que gaste duas passagens de Bilhete Único por dia, ou sejam, R$ 10,00 – em 22 dias serão R$ 220,00 um terço do salário mínimo. Imagine o cidadão de Petrópolis, que trabalhe em Duque de Caxias ou no Rio. Vinte reais, duas vezes, R$ 40,00; 22 dias serão R$ 880,00 um salário mínimo e meio de gasto de transporte. Ora, isto é um crime contra o bolso do usuário.

Por isso, estou novamente trazendo essa questão para ser discutida porque é hora, é o momento”