Luiz Paulo lembra dia da Independência e a corrupção no país

O deputado Luiz Paulo, em discurso no plenário, comentou sobre o escândalo de corrupção, saído nos jornais, sobre Guapimirim, cujos envolvidos, em sua maioria, foram presos no dia 06/09 e lembrou as comemorações do dia da Independência e que é preciso consolidar a democracia.

“Hoje, entre as muitas mazelas que temos, a maior de todas é a corrupção”. Ainda citou que o julgamento do mensalão é importante para dar um exemplo aos municípios. E que agora, o julgamento entrará na fase política de condenação, mas reitera que faltou um réu: quem comandou José Dirceu e Cia? “Este é um exemplo típico que se ramificou em muitos municípios brasileiros. Isso ocorre porque nos poderes centrais muita corrupção não é punida. Por isso, é tão importante como exemplo para todos os municípios o julgamento do Mensalão. O maior escândalo de corrupção da história recente do nosso País. O Supremo Tribunal Federal está retomando os trabalhos no dia de hoje, o julgamento do que se chama núcleo financeiro, e pelo andar da carruagem a condenação já se avizinha, também, para quase todos os membros desse núcleo.

Daqui a pouco, chegará a hora do núcleo político. O núcleo duro do Partido dos Trabalhadores, onde estarão sentados no banco dos réus: Delúbio Soares, José Genoíno e José Dirceu. Seguramente, agora, baseado nas decisões dos Ministros do Supremo de que houve desvio de dinheiro público; que houve peculato; que houve lavagem de dinheiro, possivelmente, para esse núcleo político, também, a condenação se avizinha. Diante disso, fica uma questão pendente na mente de todos aqueles que querem pensar. Quem será que comandava José Dirceu, José Genoíno e Delúbio Soares? (…)

Por isso que ontem me veio logo à mente uma música popular que fez muito sucesso em nossa cidade, mas que, certamente, as nossas taquígrafas não se lembram, por suas tenras idades, que dizia assim: “Zum zum zum zum zum! Está faltando um!”. Está faltando um no julgamento do Mensalão. É importante que esse julgamento esteja ocorrendo exatamente na Semana da Pátria e ainda se estenderá, quiçá, até a primeira ou a segunda semana de outubro.

Essa decisão do Supremo, se condenar os réus que notoriamente são os responsáveis, servirá de exemplo para todos os Prefeitos, Vereadores, Governadores, Deputados Estaduais, Deputados Federais, Senadores, Ministros e Secretários de Estado que cogitam se locupletar com recursos do erário. Essa decisão do Supremo pode ser um divisor de águas, uma nova marcha de independência para consolidarmos a nossa democracia. Pode ser, Sr. Presidente, um novo grito às margens do Ipiranga para dizer que a democracia não pode mais suportar – não deve e não suportará – a corrupção.”