Luiz Paulo discursa temas polêmicos

Em seu expediente inicial, ontem, na Alerj, o deputado Luiz Paulo comentou sobre os assuntos que estão polemizando a sociedade. Citou as “cachoeiras da Delta” e as gravações que confirmam o envolvimento do dono da construtora com Carlos Cachoeira. Luiz Paulo espera que a CGU declare a construtora inidônea. Acredita ainda que o Mensalão seja julgado até a o segundo semestre e a CPI da Delta/Cachoeira seja instalada.

O deputado também comentou sobre a vontade de Sérgio Cabral e Eduardo Paes de acabar com os postos de gasolina da Av. Atlântica e do entorno da Lagoa Rodrigo de Freitas, visando apenas os eventos de 2014 e 2016. Luiz Paulo pede que sejam levantadas algumas questões básicas como: há projeto alternativo? haverá iluminação? Segurança pública? E os empregados destes postos? A discussão deverá ser mais profunda que simplesmente acabar com os postos. Ele ainda acredita que a Câmara de Vereadores deva discutir de forma intensa.

Veja abaixo a íntegra do discurso:

“Sr. Presidente, Sras. e Srs. parlamentares, terminamos, agora, a reunião da Comissão de Constituição e Justiça; por isso a entrada nesse momento no plenário.

Muitos são os temas que poderíamos abordar no dia de hoje. O tema que mais repercute neste país é o tema “Cachoeiras da Delta”, porque delta, Deputado Paulo Ramos me lembra delta de rio, e as cahoeiras, no fundo, acabam indo parar nos deltas do rio. Daí, essa irmandade, hoje, indissociável de cachoeira e Delta.

Talvez seja, hoje, a empreiteira, no país, que tenha o nome mais popular, porque onde pousa essa empresa o escândalo vem atrás. Ontem, culminou com uma gravação, feita pelo jornalista ligado ao Cachoeira, Mino Pedrosa, de uma reunião, da qual participavam o Sr. Fernando Cavendish, onde ele afirmava que peixe miúdo não era com ele, mas peixe graúdo, sim. Aí os preços podiam ir de seis a trinta milhões, porque depois ‘choveria na horta’ do mesmo. Isto é, assumiu, nesta gravação, a sua culpa. Acredito até que a Controladoria Geral da União vá declarar essa empresa inidônea, mediante essa gravação. Vamos aguardar o que vai ocorrer.

Eu cito o Deputado Paulo Ramos, porque eu afirmei aqui em plenário, que a CPI do Cachoeira seria instalada. E o Deputado Paulo Ramos disse que tinha dúvidas. E, hoje, até eu mesmo tenho dúvidas. Visto que o escândalo está tomando dimensões gigantescas. Mas cada vez mais sou defensor de que antes do 2º semestre se julgue o Mensalão, o maior escândalo de corrupção da história da história do nosso Brasil, e de que se instale a CPI Delta-Cachoeira/ Cachoeira-Delta. Essas são duas questões de quem defende a transparência e a moralidade, das quais não podemos abrir mão: o julgamento do Mensalão e a CPI Cachoeira/Delta.

Feito o comentário sobre essa questão, está começando a ganhar corpo um tema polêmico, sobre o qual é necessário, também, que a gente reflita. Existem na Avenida Atlântica e na orla da Lagoa Rodrigo de Freitas diversos postos de gasolina. Os da Avenida Atlântica, seguramente, já estão lá há três ou quatro décadas, e os da Lagoa Rodrigo de Freitas, também, são muito antigos.

O Governador Sérgio Cabral e o Prefeito da Cidade teriam decidido – tudo sempre visando à Copa do Mundo e às Olimpíadas – acabar com esses postos. Pode ser uma questão importante para a cidade, mas há que se refletir sobre essa medida. A primeira pergunta é: que projeto alternativo nós vamos ter? As áreas serão totalmente urbanizadas, iluminadas? Haverá segurança pública? O que será feito com os 400, 500 trabalhadores que ficarão desempregados? Será que a logística sem esses postos tem condições de atender à demanda dessa cidade totalmente paralisada pelos congestionamentos? Essas são questões que precisam ser levantadas, para que as medidas não sejam tomadas de forma extemporânea.

Então, é necessária uma discussão mais profunda sobre esse assunto, principalmente na Câmara dos Vereadores da Cidade do Rio de Janeiro, já que esse é um tema iminentemente municipal e, também, porque a bandeira da Petrobras, que está na maioria desses postos, tem uma relação direta com o governo do estado.

Estou trazendo essa questão à baila ainda sem juízo de valor tomado, mas para que seja feita uma reflexão. Sob o império da estética, hoje, na cidade se admite qualquer absurdo, principalmente o bota-abaixo do elevado da Perimetral. Parece que o espírito de Pereira Passos paira sobre as auras do Governador Sérgio Cabral e do Prefeito Eduardo Paes, que querem botar tudo abaixo, como se esses patrimônios não tivessem sido erigidos com dinheiro público. Esse império da estética sempre me preocupa muito porque pode justificar tudo.

Uma prova disso se deu na sexta-feira, quando o Inea aprovou o EIA/Rima do traçado do metrô passando por Ipanema e Leblon, contrariando o desejo do movimento comunitário, que era o de manter o traçado original, de Jardim Botânico e Gávea. Uma única ressalva: que a estação da Gávea fosse feita em dois níveis para uma futura ligação Gávea- Jardim Botânico- Humaitá. A decisão foi tomada à revelia de todas as manifestações sob a alegação de que Copa do Mundo e Olimpíadas justificam qualquer coisa, inclusive botar o metrô em Ipanema e Leblon, liquidando, sob o ponto de vista urbanístico, esses dois bairros, uma vez que a recomendação expressa do plano diretor da Cidade do Rio de Janeiro é a de que eles não cresçam mais. O Prefeito se omitiu de forma escandalosa.

Aproveito a oportunidade, Sr. Presidente, para registrar que o Deputado Federal Otávio Leite, que sofreu um grave acidente no sábado pela manhã (o veículo em que ele estava colidiu frontalmente com outro), foi liberado do hospital hoje, retornando para sua casa. Ele ficará em repouso por mais 48horas e, posteriormente, voltará à lide político-partidária e até mesmo pré-eleitoral. Tal notícia me alegra, pois passei o último final de semana profundamente apreensivo. Sabe V.Exa. que uma colisão frontal de dois veículos é algo seriíssimo para seus ocupantes.

Muito obrigado.”