Luiz Paulo questiona “moralidade” do PT no julgamento do mensalão

O deputado Luiz Paulo na tarde de ontem, discursou sobre o julgamento do mensalão, e levantou a dúvida de que se o julgamento fosse de qualquer outro partido que não o Partido dos Trabalhadores, se eles não estariam alardeando a ética e a moralidade ou calados como agora estão.

 

“O Supremo Tribunal Federal, acatando a proposta do Ministro Joaquim Barbosa, decidiu, no julgamento do Mensalão, considerado o maior e mais nefasto processo de corrupção com dinheiro público da história do Brasil, que esse julgamento seja feito segundo os grupos que operaram o escândalo. Dentro desse fatiamento do julgamento por grupos, o Ministro Joaquim Barbosa já proferiu o seu voto.

Alegavam algumas cabeças coroadas do Partido dos Trabalhadores que não havia corrupção porque o Mensalão não se originava de dinheiro público, tese já afastada pelo Ministro Relator Joaquim Barbosa, tanto é que já tipificou os crimes de corrupção ativa, corrupção passiva e peculato. Especificamente, quando analisou a participação do Sr. Henrique Pizzolato, quadro da cúpula do Partido dos Trabalhadores, demonstrou fartamente que o dinheiro da Visanet, instrumento operativo do Banco do Brasil, migrava para as contas da empresa do Sr. Marcos Valério e que, em última análise, irrigava a base do Governo do Presidente Lula.

O primeiro voto já foi proferido, mostrando o caminho desse processo de corrupção. A partir de amanhã, começará o voto do Ministro Lewandowski, que é o Revisor do voto do Relator. Posteriormente, votarão os outros ministros, até que entre a segunda fatia dos réus.

Chamo a atenção para esse fato porque, a 45 dias das eleições, e hoje(ontem) se inicia o programa eleitoral dos candidatos à vereança, observo que o tema mensalão, o maior processo de corrupção da história do Brasil, encabeçado pelo Partido dos Trabalhadores, se tornará também febril nesses próximos dias. Acho que esse fato é tão relevante quanto as eleições que se desenvolvem em cinco mil municípios brasileiros.

Há necessidade de chamarmos a atenção para tal fato porque, caso tivessem, na cabeça do mensalão, políticos de qualquer partido que não o Partido dos Trabalhadores, estariam os nobres parlamentares petistas vociferando a favor da ética e da moralidade. Mas, como quem está em julgamento é parte da cúpula dirigente do referido Partido dos Trabalhadores, essas vozes se quedam em silêncio. É digno de registro porque, quando o processo de corrupção é em outro partido, os militantes petistas botam o bloco na rua; contudo, quando tal processo envolve sua cúpula dirigente, essa questão não é nem tocada, fugindo os militantes do debate político.”

Afirmou ainda que toda semana, até o final do julgamento, estará na tribuna fazendo o uso da palavra para analisar os novos acontecimentos.

“Por isso, continuaremos, pelo menos uma vez por semana, a analisar o julgamento do mensalão do Partido dos Trabalhadores, que foi instituído com dinheiro público – e quem assim o diz é o Ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal, ali colocado pelo Presidente Lula, e que tem honrado sua preposição de Ministro do Supremo fazendo seu voto com absoluta independência, como deve ser com um homem da Suprema Corte deste País.

Assim, Sr. Presidente, quero também deixar claro que desejo que seja feita justiça. A acusação já se manifestou, assim como a defesa; agora é a vez dos Srs. Ministros. Aguardamos com ansiedade o voto de cada um.

O povo brasileiro pede justiça!”